segunda-feira, 26 de setembro de 2016

A importância dos lanches escolares



Muito se fala (umas vezes bem outras vezes mal) sobre os lanches e o que colocar nas lancheiras dos mais novos. 
E perguntam vocês o porquê deste post agora...Pois bem, tenho visto e ouvido de tudo. 
O meu filho mais novo, entrou agora para o 2º ciclo. Até aqui, e durante toda o seu percurso no 1º ciclo, levava o lanche na sua lancheira. 
Agora não é diferente, continua a levá-lo, porque a meu ver, não há razão para ser diferente. A única diferença é que, não leva uma lancheira de mão mas leva uma caixinha ou duas, dentro da mochila, onde o lanche cabe e vai devidamente acondicionado. A irmã, que está a acabar o 3º ciclo, ainda hoje leva o lanche acondicionado da mesma forma.
Os colegas, grande parte vieram com ele do 1º ciclo...descobriram o Bar da escola! Um mundo desconhecido...e cheio de coisa novas, pronto a ser explorado....houve um ou outro, que na primeira semana, raro foi o intervalo que lá não foi!!!
Muito se diz sobre os bares nas escolas, que têm menos doces, menos produtos processados, enfim...que se quer reduzir os açúcares...não vejo nada disso...continuo a ver bolos, chocolates, bolachas e, eu sei que não é só ali naquele bar...por todas as escolas há estes bares com estas coisas. Tenho colegas com filhos em escolas diferentes e o que elas me dizem que se lá vende, é precisamente estas coisas. Claro, também há pão. Pão com fiambre, pão com queijo...mas isso fica para quando já não houver mais nada para comer e a fome apertar. 
A minha filha diz muitas vezes que ir ao bar é impensável...cheio de gente...gente essa que são colegas...miúdos e miúdas dos 10 aos 15 anos...que não trouxeram lanche e que portanto recorrem ali. Todos temos as nossas vidas, umas mais ocupadas do que outras, com mais horários e ou menos horários, mas passa tudo por muita organização...e sim, de abdicar de algum tempo livre nosso (que também temos direito a ele, como é óbvio), para preparar os lanches e os jantares a semana. 
Isto que não sirva de critica a ninguém...não estou a julgar ninguém, mas é a nossa saúde e a dos nossos filhos que está em causa. Trata-se de lhes ensinar o que se deve ou não comer. Claro que quando tiverem idade para fazer as próprias escolhas, pois fica ao critério deles. Em questão de hábitos alimentares...tudo se paga um dia mais tarde. Cabe-nos a nós ensiná-los a comer bem e o melhor exemplo é o nosso. Sem fundamentalismos nem filosofias proibitivas, porque eu também não concordo. Temos que dar espaço à bolacha, ao chocolatito, enfim....mas com conta, peso e medida.

Ficam umas sugestões que costumam ir nas lancheiras diariamente lá por casa.

Segunda feira: 1 iogurte líquido+ meio pão de mistura com manteiga, fiambre ou queijo + uvas 

Terça feira: 1 néctar de fruta + meio pão branco com manteiga, fiambre ou queijo + 2 bolachas

Quarta feira: 1 iogurte líquido (de compra) + 1 pão de leite/croissant pequeno + 1 maçã

Quinta feira: 1 néctar de fruta + 1 pão de mistura com um ovo mexido (manhã)
                      1 barrita de cereais + 1 banana da Madeira (tarde)

Sexta feira : 1 iogurte líquido + meio pão branco com manteiga, fiambre ou queijo + 1 muffim/queque 


Importante: 
  • Deve haver sempre uma garrafa com água, ainda que das pequeninas.A água é muito importante.
  • O que eu ponho dentro do pão, vai de encontro ao que um ou outro preferem. Devemos ter cuidado, de ir de encontro aos gostos das crianças, sempre que possível. É claro, que eles também gostam de outras opções além do fiambre, queijo ou manteiga, mas essas opções deixo-as para os lanches da tarde ou do fim de semana.

4 comentários:

cozinha100segredos disse...

Já tinha visto o teu post ontem mas na altura não tive tempo para comentar por isso hoje venho fazê-lo! É uma pena que para os pais e para as escolas a alimentação ainda não seja um assunto prioritário. Obviamente não estou a generalizar, haverá certamente muitos pais e muitas escolas que têm essa preocupação. Como já deves ter percebido pelo meu blog, há cerca de um ano mudei a minha alimentação. Não tinha uma má alimentação, de todo, mas como queria perder o peso que ganhei com as gravidezes havia ajustes que poderiam e deveriam ser feitos. Antes disso acontecer eu já tinha bastante preocupação com a comida que mandava na lancheira do meu filho (os outros dois ainda estão no jardim-escola e por isso o lanche está incluído). Sempre tive o cuidado de não enviar produtos processados, nem bolachas, nem guloseimas ou porcarias. Até porque cá em casa já há muitos anos que não entravam sumos nem refrigerantes e o que é bolachas, bolos e bolinhos sempre foi feito em casa ou então comprado na padaria. Mas depois de eu ter feito a minha reeducação alimentar, o conteúdo da lancheira do meu filho passou a ser ainda mais importante. Geralmente mando uma sandes de pão de forma integral (dos de padaria) com manteiga, manteiga de amendoim, manteiga de amêndoa, fiambre e alface, queijo + um sumo o mais natural possível, uma caixa de leite branco e pontualmente uma caixa de leite com chocolate + um iogurte líquido + uma peça de fruta ou fruta cozida em casa e moída. De vez em quando lá vai uma fatia de bolo, um croissant caseiro, umas panquecas, um queque, umas bolachas caseiras, também para não aborrecer pois se for sempre a mesma coisa acaba por perder o interesse. Inicialmente ele não reclamava pois como era a primeira vez que tinha de levar lanche de casa, para ele era normalíssimo que o conteúdo da lancheira fosse aquele. Passados dois meses comecei a ouvir "que seca", "não podia ser um chocolate?", "não podia ser um croissant daqueles comprados que trazem recheio", etc! E eu respondia que não porque essas coisas não eram saudáveis. E ele lá argumentava "mas fulano leva"! E eu dizia "isso é lá com os pais dele, se preferem que ele coma porcarias em vez de coisas saudáveis eles é que sabem". Durante algum tempo ouvi sempre os mesmos refilanços todos os dias mas nunca cedi. Depois passou. De volta e meia eu perguntava o que é que os colegas levavam para comer e eu ouvia: "chocolate, croissant de pacote, panquecas com chocolate (umas processadas que há no supermercado), torta, etc. E percebi que muitas crianças ainda só levam porcarias para lanchar. Este ano voltei a fazer a mesma pergunta e as respostas são as mesmas. Nada mudou! E o que é mais engraçado é que uma das miúdas que leva sempre porcarias processadas é filha de um enfermeiro e de uma auxiliar de educação, são pessoas que estão mais do que informadas e que deveriam ser as primeiras a ter uma atitude correta. Eu compreendo, falta o tempo. Mas a meu ver, rechear duas fatias de pão não demora assim tanto! É quase tão rápido como ir à despensa buscar uma porcaria qualquer! Mas lá está, quem sou eu para julgar?! Cada um sabe o que é melhor para si e para os seus! Mas como é de pequenino que se torce o pepino acho que é quando são pequenos que se deve incutir hábitos alimentares saudáveis. E com isto já fiz um discurso de todo o tamanho! Mas pronto, está dita a minha opinião que é tal como a tua! beijinhos

Avelã disse...

Tens toda a razão! Para além do impacto negativo que a ingestão regular de bolos e etc. processados tem na saúde das crianças, esta irá afetar negativamente os seus hábitos, uma vez que chegarão à idade adulta habituados a comer coisas desse género e com o tão comum vício em açúcar. Claro que o pão de compra, os iogurtes de aroma e etc. também não são perfeitos, têm aditivos e ingredientes menos bons, mas nem se pode compará-los a croissants recheados ou bolachas! Mais tarde os teus filhos irão agradecer o trabalho que tiveste a proporcionar-lhes uma boa alimentação, tenho a certeza, porque o resultado desse trabalho é sempre positivo :)

M&M' Place disse...

Só hoje tive oportunidade de ler as vossas mensagens! Passei pelo mesmo..."Ah mas o não sei quantos leva sempre chipicaos...e a não sei quantas come sempre batatas fritas...." Enfim, também cheguei a ouvir disto lá em casa! Mas claro, cabe-nos a nós explicar que essas coisas não são a melhor opção (nem a pior!...não são de todo opção e pronto).
A minha filha inclusive diz que as colegas, às 9 e tal da manhã, já estão a comer baguetes com atum e maionese! Ela diz que não sabe como é que elas conseguem comer aquilo logo de manhã. Outras há...que estão desde as 8h30 até às 13h30 sem comer mais nada...com um pequeno almoço que eu imagino que às vezes não passe de um copo de leite ou um iogurte comido / bebido a correr...
Muito havia aqui a dizer sobre isto, mas creio que não vale a pena "bater mais no ceguinho". Cada cabeça sua sentença! Mas é de facto uma pena que as escolas não façam da alimentação uma prioridade....
Beijinhos e boa semana para vocês!

M&M' Place disse...

Ainda um artigo interessante sobre isto:
http://observador.pt/2016/10/03/lanches-saudaveis-e-apelativos-sim-e-possivel/